Militarização e morte

Goya_Fotor

Três de Maio de 1808 em Madrid, Os fuzilamentos da montanha do Príncipe Pío: Pintura de Francisco de Goya

Não entendo pessoas que propõem o caminho da militarização como solução para quaisquer dos males ou contradições da sociedade. Não conheço qualquer movimento, exercido através da força, que tenha gerado mais felicidade ou justiça entre os  povos. Todas as revoluções (mesmo aquelas) iniciadas em nome do povo, que se apoiaram no braço armado, geraram tiranos sangrentos, que por sua vez deixaram um rastro de mortes entendidas como “justificadas” por suas “ideologias”.

Apenas como alguns exemplos: Mao Tsé-Tung (China), Josef Stalin (Russia), Adolf Hitler (Alemanha), Benito Mussolini (Italia), Francisco Franco (Espanha), Francois “Papa Doc” Duvalier (Haiti), Augusto Pinochet (Chile), Nicolae Ceausescu (Romênia), Idi Amin (Uganda), Saddam Hussein (Iraque), Moammar Gaddhafi (Líbia), Kim Jong-Il (Coréia do Norte) e sua descendência até hoje. Isto para ficarmos apenas em alguns, porque a lista seria incalculável se entrássemos história adentro.

Todos, com algumas exceções, vestiam regularmente uniformes militares (mesmo não o sendo) mostrando seu poder e construindo sua imagem. Quem não tem gravado em sua retina a imagem (dos noticiários da TV) de militares ou paramilitares sobre jipes velhos, com fuzis em punho, uniformes surrados, executando, roubando, estuprando, ultrajando, civis indefesos em campos de refugiados, ou cidades dominadas.

man-and-woman-in-front-of-a-pile-of-excrement_Fotor

Homem e Mulher em frente a uma pilha de excrementos. Pintura de Miró.

Pessoas inocentes vitimas de uma covardia sem fim praticadas por animais fardados, investidos de uma autoridade ilimitada e insana.

Quando se inicia uma guerra, pode-se ter assegurado uma certeza: Não haverá vencedores. A ideia de um exército com toda a sua disciplina, rigidez, hierarquia, com uniformes polidos, engomados, sem manchas ou amassados torna-se ridícula quando uma guerra inicia. Aqui resta apenas a insanidade, o ódio, o horror, a morte (o menor dos males), a amputação (física ou emocional), a dor, o desequilíbrio, a demência, o medo e o trauma, além de um amontoado de corpos afundados na lama.

A humanidade necessita superar esta insanidade chamada guerra, força, arma, violência. Esta tragédia nunca nos elevou, não nos fez melhores, causou cicatrizes que nunca desapareceram, dividiu, para não mais reunir, famílias, irmãos, povos e sonhos. Alguns defendem que houve muito avanços científicos nas guerras, mas temos que compará-los com as perdas (vou citar apenas algumas do século passado):

Genocídio Armênio: conhecido como o primeiro holocausto do século XX, quando os Turcos mataram aproximadamente 1,5 milhão de Armênios. Iniciando com a execução de 250 intelectuais no dia 24 de abril de 1915.

Primeira Guerra Mundial: 15 milhões de mortos e 20 milhões de feridos. Algo entre 5 e 6 milhões de soldados sofreram mutilações. Gás Venenoso usado pela primeira vez em 1915 matou 20 mil pessoas e marcou profundamente a memória desta guerra. 3 milhões de viúvas e 6 milhões de órfãos.

Segunda Guerra Mundial: mais de 80 milhões de mortos. 25 milhões soldados e 58 milhões de civis

Guerra Civil Russa: número estimado de mortos de 5 a 9 milhões de pessoas entre 1917 a 1921. Com a chegada do partido bolchevique, que estabeleceu o primeiro governo inspirado no socialismo. Sob o comando de Stalin muitos russos ainda foram assassinados aproximadamente 4 milhões em nome da revolução.

Revolução Comunista Chinesa: Mao Tsé-Tung tem dois momentos revolucionários: O primeiro de sua revolução comunista o número de mortos pode chegar a 20 milhões, já  para o “Grande Salto para Frente”, segundo momento da revolução, de 1959 a 1961, o número de mortos varia entre 20 milhões e 75 milhões.

guernica_Fotor

Guernica. Pintura de Pablo Picasso.

Não vamos falar de outras grandes guerras como: Guerras Napoleônicas, Guerra dos Trinta anos, Guerra do Congo, Guerra da Coréia, Guerra Irã/Iraque, Guerra do Vietnã, Guerra dos Sete anos, Guerra Civil da Nigéria, Revolução Mexicana, todas com no mínimo um milhão de mortos, algumas chegando a 11 milhões como a Guerra dos Trinta Anos.

E não vou falar da loucura de Darfur, Sudão do Sul, a lepra que dominou o Chade, o massacre de Uganda…

Por que alguém ainda defende a militarização, seja lá do que for??? Nada justifica combater, através da miséria militar, a miséria humana que já se basta por si só….

O escândalo para baixo do tapete

banksy_Fotor

Graffiti de Banksy, graffiteiro, pintor, ativista político e diretor de cinema britânico

Vamos aos números, eu não gosto deles ou melhor, apenas deles (porque quando apenas os números falam trata-se de uma tecnicidade), mas vou usa-los já que a maioria das pessoas têm por hábito embasar suas decisões e crenças nos números. Afinal a frase que estas pessoas usam é: contra os números não há argumento.

São Paulo registra 1 assassinato de mulher a cada 4 dias e 63% das vitimas morrem em casa.

Uma mulher é estuprada a cada 11 minutos no Brasil. Mas segundo especialistas este número pode ser até 10 vezes maior, chegando a meio milhão de mulheres que sofreram algum tipo de violência sexual ao ano.

Agora pasmem, 70% dos casos citados acima são crianças ou adolescentes e a grande maioria destes casos acontece dentro de casa, ou tem a participação direta de parentes, namorados ou amigos.

Com relação ao gênero: o casamento entre pessoas do mesmo sexo cresceu 52% em dois anos, enquanto os casamentos entre pessoas de sexos diferentes cresceu 2,7%. Contudo é impressionante o número de pessoas assumindo sua sexualidade, seja qual for, com cada vez mais segurança e liberdade, independentemente dos contratos formais de casamento ou aceitação social.

Sobre o preconceito racial no Brasil, também temos nossa tragédia particular: a Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos recebeu 137.516 denúncias de violações de direitos humanos em 2015, uma média de 376 registros por dia, revelando que as principais vítimas de violações de direitos no país são a população negra, mulheres e pessoas de 18 a 30 anos de idade. Além do que de cada 100 pessoas assassinadas no Brasil, 71 são negras.

Portanto minha pergunta é: Por que – com estes números na nossa frente como uma fratura exposta – as vozes conservadoras (que vão desde vozes políticas no congresso nacional, passando por jornalistas reacionários, religiosos de todas as ordens, até os fanáticos das redes anti-sociais) não querem discutir estes assuntos que estão para lá de consolidados no Brasil????

No caso escandaloso da violência contra crianças, mulheres, negros, homossexuais, etc. o que pretende a sociedade brasileira? Fechar os olhos? Não acreditar nos números? Entender como uma tragédia “natural” de uma sociedade que perdeu os seus valores? Ou entregar a situação nas mãos de Deus porque o Brasil não tem jeito?

Já no caso da discussão de gênero, das grandes mudanças de comportamento o que está fazendo a sociedade brasileira? Apenas rejeitando o fato como algo que não é natural? Mantendo viva a dor daqueles que sofrem com o preconceito? Tentando reverter as mudanças através da força e da intimidação? Ou mesmo tentando uma cura através de pseudo-religiões?

Christo e Jeanne-Claude_Fotor

Obra de Christo e Jeanne-Claude

Por que os conservadores ficaram tão histéricos, nas suas tribunas, com a exposição no Santander Cultural –  “Querrmuseu – cartografias da diferença na arte brasileira”? Quando deveriam ficar histéricos é com os números vergonhosos que o Brasil acumula? Por que uma exposição de arte incomoda tanto, quando o incomodo deveria vir das nossas estatísticas?

O Brasil precisa crescer, discutir exaustivamente, não apenas através de exposições de arte, que servem apenas para “sacudir” a sociedade entorpecida por seu dia a dia massacrante, mas em todos os âmbitos e segmentos da sociedade.

O pior que podemos fazer é jogar os desafios, mudanças e problemas para baixo do tapete. Isso não é uma atitude inteligente. Encobrir ou fantasiar a realidade não devolve a dignidade de pessoas que são assediadas moral ou sexualmente. Varrer para baixo do tapete não esconde o sangue das crianças violentadas que escorrem dos jornais e noticiários diariamente no Brasil.

Para aqueles que acham que uma exposição de arte poderia chocar uma criança ou influenciar um adolescente, tenham certeza que a violência “real” sofrida por milhares de crianças brasileiras é o que verdadeiramente se configura uma tragédia.

Quem poderia me mostrar na exposição do Santander uma imagem mais violenta, desprezível, dantesca do que um estupro coletivo?

Esta brutal realidade deveria causar histeria (na sociedade) todos os dias até que os números brasileiros desaparecessem.

Um texto crítico que vale a pena ler: Jonathan Swift – Modesta Proposta.

 

Perspectiva do infinito

EscherOK_Fotor_Fotor_Collage

Gravuras de M. C. Escher

Nascido Maurits Cornelis Escher (1898-1972), durante sua vida realizou 448 litografias, xilogravuras, mais de 2000 desenhos, água-tintas entre outras, tornou-se mundialmente conhecido como M.C. Escher. O artista gráfico que subverteu a perspectiva, transformando o espaço bidimensional em um campo para além da tridimensionalidade. Procurou matemáticos para alimentar, com o rigor estético, a poética que sua arte desejava.

Escher-Day-and-Night_Fotor

Mas o que sempre me instiga na arte de Escher é sua habilidade para nos colocar em um território, ao mesmo tempo, orgânico e geométrico. Permanece visível o caos em sua ordem quase perfeita. Ele reúne luz e sombra ocupando o mesmo espaço, revolvendo a física enquanto a reafirma. Suas linhas retas, suas perspectivas renascentistas, incrivelmente nos remetem por caminhos caóticos e tortuosos.

Escher-Sky-and-Water_Fotor

Suas noites são também dias, seus peixes voam igualmente como aves, os corpos que sobem as escadas são os mesmos que também estão descendo. Sua curvas são retas e estas por sua vez são sinuosas, quem vê também é olhado, Aquilo que está dentro igualmente está fora. Nada parece estar fora do lugar. Escher abre perspectivas e ângulos nos colocando em reflexão sobre os espaços que ocupamos: O que existe ou coexiste em nosso entorno? Algo ou alguém também ocupa o espaço e o tempo em que estamos vivendo?

Escher-Relativity_Fotor

Este é o infinito que tento descrever também nos dois outros posts sobre o tema: Máscaras do infinito e Onde habita o infinito. Um infinito que se apresenta aqui e agora. Ele não está infinitamente distante ou imensamente para dentro de nossas profundezas moleculares. Esse infinito nos permeia e desta forma nos coloca em contato com o passado absoluto e o futuro das possibilidades.

Escher conseguiu corporificar, através de um choque com nossas mais sólidas percepções, o infinito em imagens reveladoras e fulgurantes. Esse é o caminho que confere liberdade e autoridade à arte desejada.

Escher-Belvedere_FotorEscher_FotorEscher-Three-Worlds_FotorEscher-Curl-up_Fotor

Infinite Perspective 

Etchings by M. C. Escher

During his life Maurits Cornelis Escher (1898-1972) produced 448 lithographs and woodcuts and more than 2,000 drawings, water-paints and other works. He became known worldwide as  M.C. Escher, the graphic artist who subverted perspective, transforming two-dimensional space into a field beyond tri-dimensionality. He turned to mathematics to nourish, in combination with aesthetic rigor, the poetics that his art desired.

What has always instigated me in Escher’s art is his ability to place us in a territory that is simultaneously organic and geometric. Chaos remains visible in his nearly perfect order. He combines light and shadow to occupy a single space, revolving the physics as he reaffirms it. His straight lines and Renaissance perspective incredibly lead us on chaotic and torturous paths.

His nights are also days, his fish fly like birds, bodies that climb stairs are the same as those that descend them. His curves are straight lines, which in turn are sinuous. Those who see are also seen. That which is inside is also outside. Nothing appears out of place. Escher opens perspectives and angles causing us to reflect on the spaces that we occupy: what exists or coexists around us? Does something or someone occupy the same space and time in which we are living?

This is the infinite that I have tried to describe in two other posts about the theme: Máscaras do infinito [Masks of the Infinite] and Onde habita o infinito [Where Does the Infinite Reside?]. This infinite is presented here and now. It is not infinitely far or immensely inside our molecular depths. This infinite permeates us and puts us in contact with the absolute past and future of possibilities. Escher is able to embody, by shocking our most solid perceptions, the infinite in revealing and fleeting images. This is the route that confers liberty and authority that his art desired.

 

Máscaras do infinito

MaskMadeira_Collage

Fotos verticais: madeira bruta. Fotos quadradas de cima para baixo: Máscara Indu, Tibetana e Maori NZ.

As máscaras sempre acompanharam homens e mulheres em seus rituais de morte, de culto à vida, à fecundidade, rituais que celebram a floração da primavera, o retorno das chuvas, enfim todos os ciclos recorrentes, que por si só, já indicam a presença do infinito, repisando cada momento para unir futuro, presente e passado em um único gesto. A utilização de uma máscara.

O infinito nos cerca, está sempre presente ao nosso lado…por que estaria distante?

O infinito nos perpassa todos os momentos, em várias direções, nos corta de forma transversal, longitudinal e diagonalmente. Ele se desloca em multidimensões, no entorno de cada um dos mais de sete bilhões de habitantes da terra, apenas para ficarmos nos humanos.

Este é o infinito manifestado o “presente reminiscente”, do qual falei em meu texto anterior. Sempre perdemos quando não o sentimos, não o vivenciamos. Quando não ouvimos a sua aragem que nos roça e intui.

MaskAfricana_Collage

Máscaras Africanas

A arte, por não estar (sempre) subjugada às regras, dogmas, ou mesmo por não sofrer, sistematicamente, a influência do comportamento imobilizador imposto pela sociedade, eventualmente encontra-se com esse infinito que se dobra, desdobra e se repete sobre si mesmo.

Sempre que este encontro se dá – entre a arte e esse fluxo de infinito – surge como que um diamante retirado das profundezas da terra.

A madeira que encontra a mão do artesão na Oceania, transformada em máscara termina nas mãos de um sacerdote, participa de rituais, dali transforma-se em ícone de toda uma cultura, que em alguns casos se espraia para outras culturas – seja pela influência pacífica ou mesmo através da guerra – estas imagens se transformam em histórias orais, escritas e iconográficas. Milhares de sacerdotes passam suas máscaras para sucessores, milhões de rituais são realizados. Gerações são impregnadas por esta carga imagética de uma simples máscara que tornou-se um fluxo, um rastro, um oceano.

BraqueAfrica_Collage

Máscara Africana e pintura de Braque

As máscaras, desta forma, se fundem ao infinito e um dia, em um encontro fortuito, se reúne às mãos de um artista que busca uma saída estética para seu trabalho e lá está “o diamante” que funda o cubismo na história da arte.

A arte deve perceber o fluxo das coisas, o movimento do entorno. As mensagens são repassadas para quem as ouve. Os vultos surgem à luz do dia quando estamos prontos para vê-los. Esta é uma “Imagem fulgurante”.

Mask0_Fotor_Collage

Pintura de Picasso: Les demoiselles d’Avignon considerada a primeira abordagem cubista na pintura ocidental. Máscara Africana

Onde habita o infinito?

Dali

O infinito bigode de Salvador Dali

Se o universo é infinito, o que há depois dele? Esta pergunta nos acompanha desde que somos crianças.

A percepção de que tratar do infinito é (sempre) tratar daquilo que é “muito grande”, foi construída certamente a partir de nossa perspectiva humana mais básica. Pés fincados no chão, arrastando o corpo pesado sob a gravidade, sem contudo nos impedir de olhar para o céu ao encontro das estrelas mais distantes. O infinito, portanto sempre foi procurado nas distâncias incomensuráveis do universo.

A matemática e seus cálculos nos demonstraram aos poucos que não há apenas um vastíssimo mundo para além, mas também temos um imenso mundo para aquém, ou seja temos um universo para dentro da realidade visível, dentro da matéria que tocamos, sentimos, cheiramos, vemos…

A ciência e a nossa percepção não atingiu nenhuma das duas fronteiras da infinitude. Não chegamos nem perto das bordas do cosmos, tampouco mergulhamos profundamente nas partículas da física quântica (que ficam, a cada descoberta, cada vez mais longe). Estas duas abordagem do infinito (independentemente de serem muito complexas) me parecem ainda muito lineares e pobres. É como se tivéssemos apenas dois caminhos para decifrarmos o infinito. Um para cima e outro para baixo ou para dentro. Um nos levaria ao número máximo, outro ao zero. Isso reafirma a ideia de que vivemos em um universo tridimensional, o que já me parece pouco diante de tudo o que vivemos e experimentamos.

Se o universo possui outras dimensões (o que muitos cientistas já discutem) que ainda não percebemos (e não há nada de espantoso nisso. Basta lembrar que não tínhamos noção do mundo quântico até a primeira metade do século XX), devemos levar em consideração que a percepção de infinito também se modifique. Se, como já afirmamos, o infinito cósmico se caracteriza pela palavra “além”, o infinito quântico se move na direção da palavra “aquém”, me parece que se passarmos a lidar com o infinito de um mundo multidimensional a palavra que irá nos nortear é “entre”.

Esta ideia de infinito em várias dimensões é muito mais complexa e mais próxima, tem um perfil mais humano, é muito mais aproximada ao nosso corpo, a nossa alma, tem mais relação com os ciclos dos seres (animais, vegetais e minerais) sobre a terra, ritual de procriação, nascimento e morte, transformação infinita da matéria que não cessa sua mutação.

O que seria então esse infinito multidimensional? Não é aquele nos leva para longe (para cima ou para dentro). Este é um infinito que acontece no presente, mas que se projeta do passado, estabelecendo o momento seguinte. Um infinito que revolve o passado como em uma escavação arqueológica, repetindo os movimentos humanos, materiais, como o ciclo das chuvas, as estações do ano, os impulsos para o amor, para o crime, para o poder, para a vida, para a procriação ou para o suicídio. A ancestralidade dos homens e das coisas interagindo sobre esse “presente reminiscente”, para usar um termo de Walter Benjamin, que deposita todos os dias mais uma folha repleta de imagens, de atos, gravados sobre o grande palimpsesto humano.

Essa ideia de infinito, que se repete sobre si mesmo, e que somente perceberemos quando descobrirmos as outras dimensões que nos rodeiam, dá conta de todos os nossos atos, dos nossos lapsos, do que vemos, do que nos olha, do que não vemos, do que nos dá alegria e sofrimento, dos eixos que se formam entre pessoas, entre coisa. Ligações de pessoas com paisagens, com sons e ambientes. Ideias que surgem, que se perdem, Rupturas que destroem, que matam para vivificar. Esse infinito sempre alimentou (mesmo sem sabermos) a arte, a ciência, a filosofia e a religião. Pessoas e coisas que nos rodeiam, como ideias distantes, sem que possamos tocá-las, mas que nos transmitem há aproximadamente duzentos mil anos “imagens fulgurantes”, dos caminhos de seres e matérias sobrepostos dia a dia soterrados em um imenso monturo onde habita o infinito.

Desenvolverei essa ideia em mais alguns textos que publicarei aqui. Se você se interessa pelo assunto siga o Blog OF.

 

O Brasil brinca com fogo

H e M_Fotor

Nazismo e Fascismo

Os discursos fáceis, oportunistas, parasitários das situações trágicas (quando as pessoas estão mais frágeis) não merecem qualquer crédito ou mesmo espaço para discussão.

Por que? Porque sua missão prioritária e única é confundir através de ideias maniqueístas, excluindo todos aqueles e tudo aquilo que se opõem ao discurso hegemônico e dominante, incluindo aí a própria justiça.

O Brasil passa por um destes momentos trágicos, onde o rancor, o ódio, a intolerância, o preconceito, enfim o fosso econômico e cultural, estão abertos como fratura exposta de uma sociedade desestruturada das famílias às mais altas instituições governamentais.

Nestes momentos aparecem homens irresponsáveis, inescrupulosos, e com ótima sensibilidade para inocular um discurso palatável e doce aos ouvidos daqueles que, normalmente são consideradas as vítimas do sistema, as que mais sofrem com a violência, com a falta de serviços públicos básicos de qualidade, enfim com as injustiças sociais.

Se você pensa que o Brasil terá sua situação resolvida ou mesmo encaminhada por mensagens e atitudes como as que Jair Bolsonaro prega, você pode estar brincando com fogo.

O que é perturbador no seu discurso ultra conservador é que ele não indica o que fará ou como fará, não têm ideias, não têm conceitos, ele apenas tenta destruir os seus adversários com uma dose gigantesca de difamação e retórica. Bolsonaro prega a violência (mesmo quando fala em reduzir a violência), prega uma super autoridade que facilmente se transformará em tirania. Ou seja diz apenas e tão somente que irá resolver na “marra”.

Se você deseja apoiar ou quer saber onde pode dar o projeto de Bolsonaro à Presidência da República, leia e conheça um pouco da trágica experiência de quem já passou por situação semelhante, nos anos 40. Umberto Eco faz uma retrospectiva brilhante do crescimento do Fascismo e suas características. É impressionante a semelhança com certas situações atuais que se repetem…e por isso mesmo chamado pelo filosofo de fascismo eterno.

Faço uma observação sobre o tamanho do texto: é longo. Portanto se você não dispõe de tempo ou paciência para textos longos, vá diretamente nas 14 lições para identificar neofascistas e o fascismo eterno.

Se alguém acha que pegar em armas e ter um governo autocrático é solução para os nossos males confira no texto de Eco o incêndio que poderá se espalhar em nosso país. O grande problema de instituir o “paredão” como instrumento para solução das nossas mazelas é definir quem merece o “paredão”.

O texto de Eco está no link abaixo e merece ser lido com atenção.

Umberto Eco | 14 lições para identificar o neofascismo e o fascismo eterno

Brazil plays with fire

The facile, opportunistic, parasitic discourses that arise in tragic situations – when people are most fragile –  do not deserve credit and should not be given room for debate.

Why? Because their primary mission is solely to confuse through manichaeist ideas, excluding everyone and anything opposed to the hegemonic and dominant discourse, including justice itself.

Brazil is undergoing one of these tragic moments, where rancor, hate, intolerance, prejudice –  the products of an economic and cultural wasteland –  are exposed like as  the wounds of a society destabilized from the level of families to the highest government institutions.

At times like these, irresponsible, unscrupulous men appear who have a keen sensibility for inoculating a discourse that is sweet and palatable to the ears of those who are normally considered the victims of the system, those who suffer most from violence, from the lack of basic and quality public services, from social injustice.

If you think Brazil’s situation  will be resolved or even put on course by the messages and attitudes preached by Jair Bolsonaro, you may be playing with fire.

What is disturbing about his ultra conservative discourse is that he does not indicate what he will do or how he will do it. He has no ideas or concepts. He simply tries to destroy his adversaries with a giant dose of defamation and rhetoric. Bolsonaro preaches violence (even when he speaks of reducing violence), he preaches a higher authority that would easily become tyranny. That is, he affirms only that he will resolve issues by force.

If you are thinking of supporting  a Bolsonaro presidency, or want to know what it can lead to, it would be good to read about the tragic experience of someone who underwent a similar situation in the 1940s. Umberto Eco offers a brilliant retrospective of the growth of fascism and its characteristics. The similarity with certain current situations that are continually repeated is impressive…and for this reason the philosopher calls them eternal fascism.

The text is long. If you don’t have time or patience, go directly to the 14 lessons for identifying neofascists and eternal fascism.

If someone thinks that taking up arms and having an autocratic government is the solution to our problem, they will discover in Eco’s text the fury that could sweep Brazil. The big problem with instituting “firing squad” type methods to resolve our ailments is defining who deserves the  “firing squad”.

Eco’s article can be found at the link below and deserves to be read carefully.

http://www.nybooks.com/articles/1995/06/22/ur-fascism/

Combata o ódio com poesia

lorca1

Faço minha homenagem aos espanhóis, através de um dos seus maiores poetas.

No dia 18 de agosto de 1936 Frederico García Lorca foi assassinado covardemente em Granada, Espanha.

Até hoje se discute as reais motivações do brutal assassinato. Para mim não importa se as razões são ideológicas, políticas ou mesmo sua orientação sexual. Duas certezas eu tenho, primeiro ninguém deveria ser assassinado por qualquer motivo que seja. E em segundo lugar a poesia de Lorca em sua grandeza superou o ato cometido contra ele, a ponto de se imortalizar em todo o mundo. Aos 38 anos, pintor, compositor, pianista, poeta e dramaturgo, Lorca deixou uma grande uma obra que é também uma lição humana sobre arte, paz, beleza e vida.

O que fizeram os assassinos de Lorca? O mesmo que também fizeram os neonazistas da supremacia branca ao jogar um carro sobre a multidão em Charlottesville. O mesmo que fez o estado islâmico ao jogar uma van sobre a população nas Ramblas em Barcelona no dia de ontem. Mataram por ódio aos que chamam de diferentes.

Qual a diferença entre estas atitudes? O motivo me responderão. E qual motivo é suficientemente forte para provocar assassinado, individual ou em massa de pessoas inocentes?

O que importam as motivações: sejam elas religiosas, culturais, raciais, étnicas, etc. Como escrevi em um texto anterior, acredito que essa visão conservadora e radical está perdendo a força e não encontra ressonância nas gerações mais novas.

Lorca2

 

Conservadores. Uma minoria ou um disfarce para a destruição.

 

A humanidade se move em ondas. A cada vitória ou consolidação de uma determinada ideologia, padrão de comportamento, sistema político, ou mesmo econômico, corresponde simultaneamente ao nascimento de uma força contraria e resistente. E quanto mais extrema é a força para uma determinada direção, maior é o antagonismo do seu contrario. É quase físico, material, este comportamento que, em um primeiro momento, parece carregado de subjetividades.

Este pressuposto contamina o macro e o micro mundo onde habitamos. Vai dos sistemas que determinam a vida das nações ao tipo de comportamento na convivência entre familiares ou vizinhos.

Em nossa história recente observamos momentos com mais ou menos radicalismos, períodos de convivência que se alternam entre tranquilos e muito violentos, em função de algumas regras impostas as quais chamamos “civilizatórias”. Esta alternância nos humores também se dá porque, logo após grandes barbáries que não têm sido raras, um ou mais de um, dos contendores está completamente satisfeito pelo sangue e pelas lágrimas dos adversários. Aí uma espécie de hibernação espiritual se impõe para que a violência seja digerida.

Estamos acompanhando mais uma destas ondas acontecendo. O discurso conservador está saindo das sombras de sua vergonha, se esgueirando por diversas áreas do conhecimento humano, nas artes, na política e na religião. E por que eu chamo de vergonha? Porque este conservadorismo tem ainda tatuado em sua pele as atitudes covardes contra os negros indefesos no sul dos Estados Unidos. Com sua perversa manifestação mais recente em Charlottesville. O conservadorismo tem gravado na sua alma a dor infligida a milhares de mortos civis nos covardes atos terroristas ao redor do mundo. Esse mesmo conservadorismo que mata apenas para dominar, como nos grandes movimentos ideológicos, seja o Nazismo, o Fascismo, ou mesmo algumas das maiores experiências comunistas, onde a tirania superou a utopia.

Hoje estes conservadores se colocam como minorias que desejam ter também sua voz respeitada. Mas a pergunta que faço é: por que neste momento em que desejam ser ouvidos e respeitados a primeira coisa que entendemos em suas vozes é o desejo de destruir outras minorias?

O que permite definitivamente a coexistência entre os diferentes é a tolerância. A tolerância não pertence com exclusividade a nenhum grupos ou qualquer indivíduo em determinada posição no planeta. O respeito, a hospitalidade, a compreensão, são crenças intimas que não sucumbem nem mesmo à agressão. Trata-se de um sentimento silencioso que permite a uma mulher ou homem, mesmo não concordando com uma ideia ou atitude alheia, a respeite, sem querer destruí-la.

Na ideia de guerra não há lugar para vitórias. Mas existe sim uma luta saudável: aquela que abre espaços para que todos tenham voz.

Não consigo ver estas características no discurso conservador. Não encontro tolerância ou respeito por pessoas que pensam diferente. Não me parece que queiram ter voz, mas ao contrário, desejam calar os outros.

Felizmente não percebo força no discurso conservador, ele é vazio, é apenas reativo, ainda tem o medo como aliado. Me parece que as novas gerações estão mais dispostas a compartilhar do que dividir. Os frutos tardios do iluminismo, os conceitos das revoluções libertárias, a livre expressão das ideias independente de castas, tudo isso foi longe demais para retroagir. O discurso conservador não possui hoje um terreno fértil para florecer.

Se os conservadores desejam um lugar no futuro, devem construi-los sem desejar destruir os demais, se isso é um paradoxo insolúvel, eles irão desaparecer lentamente, mas sem dúvida seu rastro de sangue ficará. No futuro não há lugar para o ódio conservador.

Humano, demasiado humano

 

O título deste texto é um livro de Friedrich Nietzsche, onde o filósofo alemão destrói, de maneira consistente, as realidades eternas e as verdades absolutas, de sua época. Nietzsche nos apresenta o conceito de espírito livre e projeta o comportamento do homem do futuro.

Neste livro de aforismos faz um crítica pesada sobre a história da filosofia e da ciência, nos dando conta que elas não atingiram seu objetivo de ajudarem na construção de espíritos realmente livres: homens que não permanecem no conforto do trilho já aberto por seus antecessores, mas que desbrava seu próprio caminho.

Mas apenas cito Nietzsche, um iconoclasta absoluto, porque considero sua obra como o bisturi, mais afiado, sobre a carne macia dos homens entorpecidos pelo som hegemônico do poder.

O poder que sempre controlou através de sua mais conhecida ferramenta: o medo.

Assim, nos últimos 100 anos, a população mundial, entre capitalismo e socialismo, vagou perdida entre informações e desinformações. Uma divisão maniqueísta que servia aos dois senhores. Anjos e demônios. Uns exploravam os mais fracos para obtenção do lucro, os outros comiam criancinhas, além de serem ateus.

Dessa forma, de maneira segmentada, quem detém algum poder sempre utiliza o medo como seu aliado para a manutenção deste mesmo poder.

Alguns exemplos são fáceis de serem comprovados: A indústria farmacêutica e seus remédios salvadores, a indústria religiosa e suas doações salvadoras, a indústria da segurança e suas câmeras e alarmes protetores.

Quem conhece a obra de Thomas Malthus, cientista inglês, falecido no século XIX, sabe de sua projeção de fome, miséria e doenças, a partir de estudos sobre o crescimento aritmético da produção de alimentos contra o crescimento  geométrico da população mundial. Lançou o terror sobre as pessoas e depois vendeu sua tese de controle da natalidade, castidade, etc. Como bom religioso anglicano que era, depois de estruturar o problema da matéria, entrou no campo do espírito para concluir seu estudo de caráter moralizante.

Porém nenhuma destas estratégias e modus operandi me surpreende. Esta era a nossa história, uma história feita de muitos equívocos, sangue e lágrimas, onde caminhávamos quase tateando sobre a geografia escarpada e difícil do planeta, sem uma ampla visão do todo.

Mas chegamos aqui com um mundo “menor”, mais próximo onde nunca se falou tanto em tolerância, compreensão, diferenças, compartilhamento, etc. E o fruto desta inflexão, mudança de comportamento, que retirou os “humanos” da discussão focada no cadáver capitalismo/comunismo foi: o ambientalismo. Nossa última e mais recente utopia. Uma nova hóstia para ser ingerida.

Minha surpresa reside aí. O discurso estruturado dos ambientalistas, segue com a lógica velha, utilizando o medo como bengala. Aquecimento global, elevação do mar, degelo das calotas polares, camada de ozônio, etc…. Dados deturpados, enganosos para que a população mundial tenha aderência através do pavor, do medo da morte, da incerteza no futuro.

É realmente triste que uma discussão positiva e importante como esta seja tratada de forma tão venal. É fundamental abordarmos os recursos naturais, sua utilização pelo homem, a definição dos nossos limites, mas sem a posição hegemônica e monolítica, mais uma vez do poder econômico travestido de cordeiro.

Nietzsche ainda aguarda a nossa construção de espíritos livres. Mas sem o devido espaço para o contraditório, para pensamentos divergentes ou mesmo antagônicos, sem o respeito às diferenças (sistematicamente defendidas nas vanguardas), não avançaremos um milímetro. Espero que o Ambientalismo não se transforme em mais uma marca, como tantas outras, vendida em nossos shoppings…